[RESENHA] Vilão

14 de julho de 2019

Olá Leitores!

Páginas: 363 |Editora: Galera Record |Autor: V. E. Schwab | Ano: 2019

Você provavelmente já leu várias histórias de super-heróis e em todos eles você odiava o vilão não era? Mas você já chegou a ler a história de algum vilão? Já tentou procurar como ele chegou naquele estado em que só fazia coisas ruins? Mas principalmente, quem  te disse que a história de super-herói que você leu é a verdadeira? A história é sempre contada pelos heróis.

"Somos todos imortais até que se prove o contrário."
Em Vilão, conhecemos a história de dois amigos em época de faculdade, bem quando precisam escolher seus trabalhos finais. Victor escolhe algo nada bizarro, mas Eli escolhe estudar os EOS (ExtraOrdinários, pessoas com super poderes). Seu trabalho não é levado a sério e até Victor dúvida de que isso irá dar em alguma coisa. Porém eles são colegas de quarto e enquanto Eli tenta provar que seus estudos podem fazer descobertas, Victor acaba embarcando nessa façanha.

"Não existem homens bons nesse jogo."
Eli parece ser uma pessoa calma e influenciadora, enquanto Victor é mais calado e reservado, mas em seus pensamentos Eli não tem nada de inocente. Em meio a um mar de descobertas, Victor decide tentar criar um EO através de EQMs (experiências de quase morte), e as cobaias são eles mesmos. O livro dá um suspense inicial pois inicia 10 anos depois dos fatos que citei acima acontecerem. No agora, Victor fugiu da prisão enquanto Eli está a solta. Ao que tudo indica, eles se desentenderam, tiveram um confronto, Eli venceu e Victor foi preso.
"Você é o herói [...] Da sua própria história pelo menos."
Quando Victor sai da cadeia, a primeira coisa que quer é se vingar de Eli e todo o livro é um preparativo para esse confronto acontecer. A contagem regressiva é de fazer qualquer um torcer para acontecer logo e ver no que vai dar. Os dois parecem ter conseguido poderes de alguma forma, mas isso não é dito no início. Só sei que mal cheguei a 30% do livro e a história já tinha me prendido totalmente. A autora recria magistralmente uma história de super-herói, porém com todas as cartas na mesa onde nem mocinho e nem vilão são inocentes.

"Se Eli fosse mesmo um herói e Victor estivesse determinado a pôr um fim nele, isso fazia dele um vilão?"
Ambos possuem uma história típica de quadrinhos: Poderes, uma garota, inocentes para defender, o confronto. Não há como não comparar, mas Vilão segue bastante original. Nele, não é somente explorado questões de quem é o errado, mas também a corrupção humana por poder. O que o ser humano faria se possuísse conhecimento para ter super-poderes? Também iria recriar toda sua história e ser um herói? Isso me lembrou bastante a HQ Watchmen, onde mostra uma versão bem corrompida dos heróis. E durante a  leitura, ao mesmo tempo que vemos o motivo de Victor ser chamado de vilão, também assistimos a desconstrução de Eli como herói. Fica para o leitor analisar para quem torcer e se realmente existe mocinhos, afinal, tudo é questão de opinião.

"Muitos humanos eram monstros, e muitos monstros sabiam fingir humanidade."

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.